Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



30
Jul23

30/07/2023

por Quiquera

Na aridez em que me tornei, nada cresce, nada se cria

Os silêncios ocupam espaços indefinidos por abrir

Sinto formigueiros, ausências de me sentir

Sem que nenhum toque me converta

Em ser real de novo

Pressinto que em breve quedar-me-ei

Apenas transformada em espuma dos dias

Em pó nocturno, a coberto da lua

Sobre o mundo pairar

Até que a memória se esbata

E deixes de ser em mim

E eu cesse de ser também

 

publicado às 19:54

26
Jul23

26/07/2023

por Quiquera

O vento lá fora, sopra forte (27km/h, diz a aplicação de meteorologia). Uma nortada fria, a cortar o calor de julho.

Na janela imagino-me a voar, levada pelo vento, até paragens longínquas, não necessariamente exóticas.

Fecho os olhos e imagino-me pássaro.

Que inveja que tenho dos seus voos! Dos seus equilíbrios em ponta de ramos de árvore. 

Os olhos doem-me, das poeiras levantadas, apesar das gotas e dos cuidados.

Volto para dentro, coloco o tacho ao lume e começo a preparar o jantar.

Hoje ainda não parto, levada pelos ventos.

Talvez amanhã também haja vento.

publicado às 19:31

24
Jul23

24/07/2023

por Quiquera

Não sei se é do calor, se é de estar pouco activa, mas o verão é uma verdadeira dor de cabeça.

Surgem mil e uma memórias, algumas que nem percebo porque reaparecem agora.

Fujo do calor a mais, do sol que tem de ser a menos. E fico a pensar.

Talvez nem seja o verão, talvez seja apenas a idade.

Ou então é assim todos os anos - todo o ano? - e eu reparo de cada vez, sem fazer o exercício de continuidade de pensamento.

De mim, confesso, já espero (quase) tudo.

Mas há coisas que tinha dado jeito pensar mais cedo e que, agora, escusavam de surgir à minha frente. Memórias que permaneceram escondidas anos. Daquelas que nada há a fazer com aquilo. Para essas já é tarde.

Talvez seja a falta de férias a sério, dizem-me.

Talvez. Mas, agora, não dá para ir de férias. Estamos em crise, sabem. Há cerca de 20 anos, mas estamos em crise.

E, nos entretantos, surge na cabeça, como se de um refrão se tratasse, o provérbio:

"quem nasceu para lagartixa, nunca chega a jacaré".

Acho que o vou adoptar para o meu obituário.

Sim, eu sei que é mórbido, mas é desse tema que também me vou ocupando. 

Talvez por ter tratado dos assuntos pendentes de outros que partiram, tenho um febre em deixar as minhas coisas o mais arrumadas possíveis. Mesmo sem data de partida anunciada.

Já agora, tomo nota. Acrescentar na lista de pedidos póstumos:

"meninos, na minha despedida, é esta a frase que devem usar: quem nasceu para lagartixa, nunca chega a jacaré. E, esta que parte, era lagartixa que fugia do sol".

Agora vou até ali, ver se me lembro de algo mais útil para me entreter.

 

Quiquera

publicado às 21:08

07
Jul23

07/07/2023

por Quiquera

IMG_20230707_011815.jpg

Para variar, sem grande sono, fui abrir a janela do quarto.

Lá fora, um sopro fresco. Uma noite de verão que ainda não é quente e que, por mim, poderia seguir assim até ao inverno.

Detesto as noites sem dormir, de insónias provocadas pelo calor! O corpo quente, cansado, sem capacidade de descanso.

Mas esta noite não é dessas.

Lá em baixo, num banco do jardim infantil, um par olha desconfiado ao som da persiana que sobe. 

Lá em cima, reinando sobre os telhados, a lua, fria, meio oculta por umas nuvens encarneiradas, quase a lembrar os céus de Van Gogh.

O par parte, com um cão por companhia.

Fico só eu e a lua. Nem a coruja, minha companheira frequente dos passeios nocturnos, se apresenta. Apenas um morcego, que logo desaparece.

Volto com a insónia para a cama. Descansa-me saber que amanhã não trabalho.

Deito-me ao contrário, de cabeça para os pés. Assim posso continuar a ver a lua.

 

Sabes que hoje ouvi a tua voz? Disseste o meu nome. Como quando me tentavas demover de uma qualquer teimosia.

Desta vez mantive o não. 

Tornou-se mais fácil, agora que também tu me lembras uma tela passada, uma espécie de Van Gogh nunca desenhado, com espirais de estrelas distantes e frias, como esta noite.

A fazer-me companhia na longa insónia que aqui trago.

 

Quiquera

 

publicado às 01:18


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2024
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2023
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2022
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2021
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ


subscrever feeds