Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



28
Mai22

28/05/2022

por Quiquera

Há sonhos impossíveis desfeitos, refeitos, imperfeitos,

Bailantes no meu eu, insatisfeito.

Cheiram a mel, a naftalina.

São temperados pela insensatez dos loucos,

Polvilhados de canela e vinagre,

Desfazem-se de mim, a contragosto.

Ingratos, repetem gritos sustenidos,

Sustidos na respiração que morreu.

Voam, do telhado ao chão, 

simulando aves de asas cortadas

Que, de salto em salto, inúteis e férteis,

Fecundam céus que não os meus.

 

Quiquera

publicado às 20:46

27
Mai22

27/05/2022

por Quiquera

A febre dos últimos dias levou-me de volta a alguns tempos passados.

Assim plural, porque plurais foram os tempos.

De início senti-me desamparada, na luta contra a minha própria memória, a temperatura entranhada a descomandar as minhas vontades.

Vi, revi, mas, acima de tudo, voltei a sentir, o que já se encontra tão lá atrás.

No regresso à consciência dei por mim sem saudades, nem tão pouco com vontade de voltar ao passado.

Não que esteja satisfeita. Sem dúvida, que faria algumas coisas de forma diferente. Mas tenho a secreta convicção que o resultado seria o mesmo. Não acredito num destino pré-escrito que determina o que vai acontecer; apenas pressinto o que nunca poderia ser.

Num instante a febre levou-me de volta à inconsciência; mas naquele breve instante que permeia a transição da consciência ao descontrolo do sonho, senti o voar do meu coração, para esse outro lado irreal e acabei por acordar com a sensação de o não ter recuperado. Não na sua totalidade.

 

Acordei mais leve, mais solta, na certeza do abandono do sonho de um coração, que não voltará a acreditar no que não lhe está destinado.

Livre do pesadelo do sonho incumprido.

Pronta para sossegar.

 

publicado às 16:09

20
Mai22

20/05/2022

por Quiquera

Hoje foi mais um dia em que acordei e me senti perdida de mim. Ainda não me sinto totalmente eu.

É quase como se pedaço de mim tivesse ficado esquecido num qualquer canto do sono nocturno.

Não encontro outra forma para explicar.

A manhã passou-se tranquila, trabalhando ao ritmo certo, a árvore em frente a espreitar por entre os cortinados.

Só no regresso do almoço me apercebo do tempo, quente, abafado, denso de nuvens, poeiras e poléns, a pesar a respiração.

Um vento sul, quente, quente, desalinha os cabelos e pesa ainda mais na minha ausência de mim.

Volto à sala de trabalho, imersa em silêncio, corro as cortinas e deixo-me embalar na penumbra, preparando o que resta de mim para o regresso ao trabalho.

Lá fora, a árvore aloja cantos de pássaros, como que a recordar-me que ainda é dia.

Agrada-me esta sensação de paz que sobra das minhas ausências.

Alivia-me de tudo o que não me apetece pensar e permite-me a entrega ao agora.

Encosto a janela para aproveitar ainda mais o meu silêncio interno.

Afinal, sabe bem perder-me de mim também.

 

publicado às 15:04


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2024
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2023
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2022
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2021
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ


subscrever feeds